Dispositivos da Internet das Coisas
Sensores e Dispositivos

O que são as “Coisas”?

Uma onda de novas tecnologias e redes trouxe à tona a expressão “Internet of Things (IoT)” (em português, Internet das Coisas). Esse conceito faz referência aos bilhões de dispositivos físicos em todo o mundo que agora estão conectados à Internet, coletando e compartilhando dados. A esses dispositivos, também damos o nome de smart devices (dispositivos inteligentes, em inglês).

Como resultado do aumento de smart devices e da evolução das redes sem fio, hoje em dia é possível conectar diversos tipos de objetos à IoT, sejam eles tão pequenos como um parafuso ou tão grandes como um avião. Com essas conexões, a IoT se torna capaz de automatizar decisões e processos, uma vez que muitos desses dispositivos podem em serem lidos e/ou ativados sem a necessidade de contato com  humanos, seja por meio de seus sensores ou da programação de comandos.

Mas, afinal, o que é uma “Coisa”?

Uma “Coisa” (ou smart device) é qualquer dispositivo capaz de processar informações e interagir com o mundo ao seu redor ou com outras ”Coisas”.

O que são as “Coisas” da Internet das Coisas

Para ser considerado uma “coisa”, um dispositivo precisa ter duas capacidades básicas:

  • Processamento de dados – sejam esses dados recebidos de outros dispositivos ou capturados por sensores, por exemplo, de temperatura, luminosidade ou acelerômetros.
  • Comunicação com outros dispositivos – que pode ser feita através de uma conexão por fio ou por rádio-frequência, por exemplo, Wi-Fi, Bluetooth ou RFID.

Ou seja, um dispositivo deve ser capaz de processar e transmitir dados para outros dispositivos. Esses dados devem, eventualmente, chegar à Internet ou à uma rede privada (Intranet ou Nuvem privada) que permita o acesso remoto a essas informações.

Exemplos de Smart Devices: Celulares, TVs, Termostato, Geladeira e Aspirador de pó

Basicamente, qualquer objeto pode ser transformado em uma “coisa”, desde que conectado direta ou indiretamente à internet. Alguns dos exemplos mais comuns são lâmpadas que podem ser ligadas por meio de um smartphone, câmeras de segurança que transmitem imagens e outras informações através da Internet e relógios capazes de medir os batimentos cardíacos e enviar para um aplicativo no celular do dono.

Esses objetos podem ter uma finalidade voltada para o lazer, como caixas de som e sistemas interativos (como a Alexa, por exemplo); ou podem fazer parte de um sistema crítico, como os equipamentos automatizados utilizados para exames médicos e cirurgias, e até mesmo um veículo guiado pelo sistema, sem o auxílio de um motorista humano.

O que são os dispositivos wearables?

Os famosos wearables nada mais são do que peças do vestuário capazes de capturar dados e enviá-los a outros dispositivos. O exemplo mais conhecido são os relógios da nova geração, que chegam ao mercado com as mais diversas funções.

O Apple Watch e outros smartwatches do mercado, permitem agora o acesso a mensagens de texto, ligações, músicas, aplicativos e muito mais. Além disso, dispositivos como Fitbit e Jawbone ajudam a revolucionar o mundo fitness, fornecendo às pessoas mais dados sobre seus exercícios.

Além dos relógios, existem aneis capazes de medir os batimentos cardíacos e monitorar o sono, sensores de glicemia utilizados por diabéticos, óculos de Realidade Virtual (VR), solas de tênis capazes de contar passos e avaliar a inclinação da pisada e diversas peças de roupas capazes de transmitir informações sobre seu uso e o ambiente ao redor.

Como as SmartTVs se encaixam na IoT?

Muitas pessoas nem se dão conta, mas já estão tendo acesso à Internet das Coisas. Um dos exemplos disto é a utilização das SmartTVs, dispositivos que se tornaram muito populares nos últimos anos.

Além de processarem informações simples sobre canais e ajustes de resolução de tela, os modelos mais modernos de TVs podem ser controlados por comandos de voz e são capazes de ajustar as configurações de cores e contrastes de acordo com a iluminação do local onde está instalada.

Por fim, as SmartTVs possuem conexão com a Internet a fim de permitir o acesso a sites e aplicativos, como Youtube e Netflix, e também o controle a partir de outros dispositivos, como celulares e tablets. Essa simples conexão não apenas habilita o controle remoto das TVs, como também permite que dados como a quantidade de horas de funcionamento, tipo de programação e volume da TV sejam armazenados para futuras análises. Com a devida autorização do proprietário do aparelho, esses dados podem ser aproveitados em estudos comportamentais, na otimização de componentes ou até mesmo para fins médicos, como tratamentos e diagnósticos que possam estar relacionados com o hábito de assistir TV.


Cite esse conteúdo

Para citar o conteúdo desse artigo em dissertações, manuscritos ou teses, utilize o link direto: https://www.doutoriot.com.br/sensores-e-dispositivos/o-que-sao-smart-devices/

A referência abaixo já está formatada no padrão ABNT:

DIAS, Gabriel Martins. O que são as “Coisas”?. Doutor IoT, São Paulo, 29 de set. de 2020. Disponível em: <https://www.doutoriot.com.br/sensores-e-dispositivos/o-que-sao-smart-devices/>. Acesso em: 29 de set. de 2020.
Curso online: Arquiteto IoT

Curso online de Arquiteto IoT

Desenhe soluções completas de loT, conheça os dispositivos, meios de comunicação, análises de dados e segurança.

Consultoria de projetos IoT

Consultoria e
projetos IoT

Desenhe soluções completas de loT, conheça os dispositivos, meios de comunicação, análises de dados e segurança.